AUTOMAÇÃO AO LADO DE QUEM PRECISA

A automação também pode ajudar pessoas com incapacidades físicas e facilitar o cotidiano de seus familiares

Por José Assunção Rodrigues Junior

Novas tecnologias aplicadas às residências – por exemplo, a domótica, a segurança, os sistemas de comunicação, novos eletrodomésticos e o entretenimento digital – têm melhorado nossa qualidade de vida nos últimos anos. Mas, se essas conveniências modernas são aplicadas com critérios de acessibilidade e design universal, também é importante frisar que podem oferecer grandes oportunidades a pessoas com limitações físicas. Para criar casas adaptadas às necessidades desses moradores, além da tecnologia, o desenho arquitetônico do espaço físico precisa ser adaptado às necessidades gerais de acessibilidade: eliminar barreiras arquitetônicas em acessos, espaços para circulação, iluminação, orientação etc. Cabe destacar, também, que, além das necessidades específicas do usuário, normalmente as soluções personalizadas das instalações e adaptações também dependem de um componente social: o estilo de vida e dos hábitos de quem vive na casa.

Facilitar e tornar possível a pessoas acamadas ou com limitações físicas a execução de tarefas, como ligar/desligar um ponto de luz, subir/descer uma persiana ou ligar o ar condicionado, são funções menos conhecidas dos sistemas domóticos. Porém, além dessas tarefas simples, hoje podemos, também, ajustar a altura de móveis, pias de cozinha ou lavatórios de banheiros acionando um cenário do sistema domótico, seja por teclas, controle remoto, comando de voz ou celular.

ASSISTÊNCIA FÍSICA

A iluminação comandada por detector de presença ou uma porta acionada por aproximação ou reconhecimento do bluetooth de um celular são outros recursos disponíveis para facilitar o dia-a-dia dessas pessoas, assim como equipamentos desenvolvidos para a assistência física (levantar, mover e realizar tarefas), que podem ser acionados local ou remotamente com o sistema domótico.

Enfim: muitos são os benefícios que a domótica pode oferecer às pessoas incapacitadas, dando-lhes a oportunidade de uma vida mais autônoma, segura e confortável, com uma grande variedade de alternativas para a interação e o controle das instalações, sistemas e serviços dentro da residência.

Recursos de segurança integrados ao sistema domótico disparam alertas no caso de ser necessário algum tipo de assistência, assim como o mau funcionamento ou avarias na residência, de forma local e remota. Atuam de acordo com o problema de forma automática, como no caso dos sistemas que detectam o vazamento de gás na cozinha: além de dispararem um sinal sonoro, enviam mensagens de celular para números previamente cadastrados, ao passo em que fecham a eletroválvula do sistema de fornecimento de gás. Os sistemas de comunicação integrados conectam a casa ao mundo exterior e permitem a realização de trabalhos, estudos, tarefas administrativas e contatos sociais.

AUTONOMIA E INDEPENDÊNCIA

Quando tais equipamentos se integram ao sistema domótico, é permitido, ainda, o controle total da casa através de uma TV Digital ou a visualização de uma câmera de vídeo-porteiro. Assim que o mesmo for acionado, é ativada a abertura da porta sem que se saia do local.

Todos estes recursos proporcionam um maior grau de autonomia e independência, assim como a consequente redução da necessidade assistencial, proporcionando o desenvolvimento e a integração com novas e mais econômicas formas de comunicação. Permite-se, assim, o desenvolvimento e a integração profissional, já que muitas tarefas, hoje, podem ser realizadas a partir de computadores conectados à Internet, telefone etc.

Outro resultado da aplicação dessas tecnologias no cotidiano de pessoas incapacitadas é, indiretamente, um fortalecimento da autoestima, bem como o desejo de melhoria nos processos de reabilitação. Quem diria? A moderna tecnologia também tem um propósito 100% humano: diminuir a pressão psicológica e física sobre quem assiste os que precisam de cuidados.